1 em cada 3 casos de demência pode ser evitado, mostra novo estudo

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

24 07 2017 a neurociencia da vida saudavel.jpg

     Bomba da Neurociência 💣💣💣🔥🔥🔥>>> 1 em cada 3 casos de demência pode ser evitado, mostra novo estudo, descubra como aqui >>> 😱💀🙇🏻‍♀️🙇🏻 Você já ouviu a expressão simular demência?! Mas o que é demência?!! 🤔 O perfil fãs da vozinha 👵🏽👦🏻no face já tem quase um milhão de curtidas e mostra o dia a dia de uma vozinha e seu neto. A vozinha tem um tipo de demência que é uma doença neurológica com alterações de memória, raciocínio, concentração, aprendizado e com o tempo deixa a pessoa dependente. O Alzheimer é o tipo mais famoso de demência.
A boa notícia é que um terço dos casos de demência pode ser prevenido. Estudar desde a juventude, aumentar o contato social, exercitar-se, parar de fumar, tratar a hipertensão, depressão, diabetes e perda de audição e prevenir a obesidade. Se você fizer tudo isso a chance de ter demência diminui 35% muito mais do que usar os medicamentos atuais.
Esse estudo foi publicado dia 19 na revista Lancet, a mais lida e respeitada do mundo. Se o númer o de casos de demência continuar aumentando em 2050 teremos 115 milhões de pessoas com demência📆 📈 Então, vamos espalhar essa informação para prevenir a demência.

Para saber mais:

Gill Livingston, Andrew Sommerlad, Vasiliki Orgeta, Sergi G Costafreda, Jonathan Huntley, David Ames, Clive Ballard, Sube Banerjee, Alistair Burns, Jiska Cohen-Mansfield, Claudia Cooper, Nick Fox, Laura N Gitlin, Robert Howard, Helen C Kales, Eric B Larson, Karen Ritchie, Kenneth Rockwood, Elizabeth L Sampson, Quincy Samus, Lon S Schneider, Geir Selbæk, Linda Teri, Naaheed Mukadam. Dementia prevention, intervention, and care. The Lancet Commissions

Anúncios

Encontrados neurônios que contraem o abdominal e diminuem estresse

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

19260254_723274834545440_5307392749296793391_n.jpg

A Neurociência do Pilates>>>> E bomba da semana >>>> Você que já praticou Pilates deve ter reparado que é relaxante. Até aí tudo bem. Mas por que? Um estudo de Neurociência encontrou uma explicação para isso e não é nada do que você deve ter imaginado….  É isso mesmo que você leu, este estudo descobriu que o estresse é controlado também pelos neurônios que contraem seu abdominal.

Talvez isso explique por que quando você vê alguém deprimido ou estressado, você percebe mudanças na postura da pessoa.

Nesse estudo, os neurocientistas da Universidade de Pittsburgh mapearam de onde vem os neurônios que controlam a medula adrenal, órgão que fica em cima do rim e libera hormônios do estresse como o cortisol e a adrenalina que fazem seu coração disparar, você suar e sua pupila dilatar quando está estressado. Eles descobriram que muitos neurônios que controlam a medula adrenal são os mesmos que contraem o abdominal e os músculos das costas, que é feito durante todos os exercícios de Pilates.

Outro estudo mostrou que a inspiração pelo nariz melhora a memória e diminui a resposta ao medo porque os neurônios da respiração ativam neurônios que ajudam na memoria.

Além disso, um terceiro estudo mostrou que Pilates aumenta a sincronização das ondas cerebrais na parte frontal e temporal do cérebro, o que sugere que o Pilates aumenta a função cerebral e quem sabe o raciocínio. Mas isso precisa de mais estudos para ser confirmado.

Então, treinar Pilates vai te ajudar a quando alguém te insultar você pode ter uma resposta mais equilibrada e ignorar o insulto ou fazer um retorno com bom humor. A Neurociência prova mais uma vez como corpo e mente estão muito próximos e para ter um bem estar e ser feliz necessário trabalhar os dois.

Para saber mais:

Dum RP, Levinthal DJ, Strick PL. Motor, cognitive, and affective areas of the cerebral cortex influence the adrenal medulla, v. 113(35), p. 9922-7, 2016.

Inspiração afeta memória e respostas ao medo. Laiali Chaar. Tudo Sobre Controle. 2017.

Bian Z, Sun H, Lu C, Yao L, Chen S, Li X. Effect of Pilates training on alpha rhythm. Comput Math Methods Med., v. 19, 2013.

Novo sabor é descoberto em estudo

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

neurociência dos sentidos

       Bomba da Neurociência 🔥🔥🔥>>> Descoberto novo sabor 👅 >>> A Neurociência dos sentidos 👂👃👁👅👋>>> Neurocientistas americanos descobriram em setembro que nosso paladar pode distinguir um sexto tipo de sabor, além dos cinco já conhecidos: salgado, doce, azedo, amargo e umami. O novo sabor é o amido. E isso pode ajudar a explicar porque gostamos tanto de comer carboidrato. Ele é o gosto de arroz, pão, macarrão ou farinha 🍚🍞🍝.

       Se você ainda não ouviu falar no umami, ele está relacionado ao Ajinomoto e está presente naturalmente em alimentos como leite materno, peixes, crustáceos, legumes, cogumelos e outros 🐡🦐🥒.

      Outro sabor recentemente identificado, mas que ainda não é oficial, é o kokumi, que seria o sabor dos alimentos com pouca gordura. Os gostos de cálcio, de bebidas gaseificadas 🍹, de gordura, de metal no sangue e de aminoácidos também estão sendo investigados se possuem papilas gustativas pelos neurocientistas.

Para saber mais:

Lapis TJ, Penner MH, Lim J. Evidence that humans can taste glucose polymers. Chem Senses. v. 39(9), p.737-47, 2014. 

 

Dormir pouco faz cérebro comer a si mesmo, mostra novo estudo

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

IMG_0386

Dormir pouco faz seu cérebro comer a si mesmo, mostra novo estudo 😱 😴💤💤>>>
Imagine que enquanto você dorme o suficiente vai alguém na sua casa e joga o seu lixo fora 😇 E quando você dorme pouco essa mesma pessoa joga fora coisas que você precisa: sua TV, seu celular e sua geladeira 😈

Acontece algo semelhante com seu cérebro quando você dorme bem ou dorme pouco.
As células da glia e microglia durante o sono fagocitam, ou seja, digerem e eliminam do cérebro muitas substâncias tóxicas acumuladas durante o dia e memórias que não importantes. Isso é benéfico para guardar as memórias importantes 😇 Só que um estudo publicado semana passada por neurocientistas da Universidade politécnica da Itália 🇮🇹 mostrou que quando dormimos pouco o cérebro elimina também neurônios e sinapses que precisamos 😈😱 E, neurolover, não adianta dormir 2 horas por noite na semana e 20 horas no fim de semana. Acontece o mesmo. Então, cuide de seu sono, cuide de si. ❤ Com um edredom melhor ainda como já vimos aqui. ❤😴💤💤 Para saber mais acesse o link na BIO. 📷: células da glia @mirror.neuron

Para saber mais:

Michele Bellesi, Luisa de Vivo, Mattia Chini, Francesca Gilli, Giulio Tononi and Chiara Cirelli. Sleep Loss Promotes Astrocytic Phagocytosis and Microglial Activation in Mouse Cerebral Cortex. Journal of Neuroscience, v.37, p 5263-5273 2017.

 

Falar palavrões diminui dor física e emocional, afirma novo estudo

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

palavrãoFalar palavrões diminui dor física e emocional, afirma novo estudo 😤😡 $@€*# $& @ú! .

A Neurociência do palavrão >>> Já reparou que quando você bate o pé em um móvel ou prende o dedo na porta já é automático: um palavrão bem cabeludo. E isso tem uma função benéfica para a mente. Quem xinga seus males espanta!! Um novo estudo publicado semana passada confirmou que falar palavrões em voz alta 📢 pode aliviar a dor física e a emocional.

A dor física é aquela de uma lesão ou doença e dor emocional é aquela quando levamos um fora por exemplo ou estamos sofrendo. Esse estudo mostrou que não devemos ser tímidos com a boca suja quando estamos com dor no coração, sentimentos feridos, sofrimento, angústia, sofremos abuso ou trauma. Mas atenção ⚠️ falar palavrões o dia todo diminui esse efeito. Reserve para quando estiver precisando mesmo.

Pesquisas anteriores mostraram que pessoas com sentimento de rejeição ou que se sentem sozinhas sentem maior dor física.

Esse foi o primeiro artigo que estudou o efeito dos palavrões na dor emocional. Entre 70 pessoas as que falaram palavrões em voz alta sentiram uma dor emocional menor do que os que não falaram. Mas ainda não há explicação do porquê isso acontece.

Quando falamos palavrões ativamos a amígdala, não a da garganta mas sim a região do cérebro que é responsável pelos sentimentos incluindo raiva. 😡👌🏻🖕🏻 Permita-se xingar de vez em quando. Claro que em situações certas. Não saia xingando seus colegas, clientes, pacientes, professores, alunos, chefes ou amigos. Xinguem no espelho, mores.

Broca e Wernicke não existem, mostram estudos 

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebook, no instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

 18671140_703400436532880_4260069719123417232_n.jpg

           Bomba da Neurociência 💣💣💣 >>> A Neurobiologia da linguagem. Abra qualquer livro de Neuro e você lerá sobre Paul Broca e Carl Wernicke. Eles descreveram em 1860 que a produção e compreensão da linguagem são realizadas por neurônios de duas regiões cerebrais que receberam seus nomes: área de Broca e área de Wernicke. E é assim que aprendemos há 150 anos. Mas essa teoria não coincide mais com os resultados das pesquisas.

Diversos artigos de 2015 e 2016 nas melhores revistas do mundo mostraram que Broca e Wernicke não existem porque não são o centro de produção e compreensão da linguagem.

      A linguagem é muito mais complexa. Há muitas áreas que a controlam distribuídas por todo o cérebro, na região frontal, parietal, temporal, gânglios da base, tálamo e cerebelo. Cada palavra falada ou ouvida ativa neurônios de uma região específica do cérebro. Veja o vídeo do dicionário do cérebro.

           Os neurônios da área de Broca, não estão ativos quando nós falamos em voz alta.

Só 2% dos super especialistas da Sociedade de Neurobiologia da linguagem concordam que a teoria de Broca e Wernicke é a melhor para explicar a linguagem. E eles não concordam onde estão localizadas as duas áreas.

Mesmo assim elas continuam aparecendo em muitos artigos e sendo difundidas. É um mito que perdura. A área da saúde é assim, o conhecimento sempre se atualiza. Então, mostre esses artigos para seus amigos.

Gravidez causa mudanças no cérebro da mãe

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

3

Fonte da imagem: Os cientistas reconfiguraram um aparelho de ressonância magnética para capturar uma mulher e seu bebê. Rebecca Saxe e Atsushi Takahashi, Departamento do cérebro ciências cognitivas, MITe  Athinoula R.  Milisse Centro de Imagens do Instituto McGovern para pesquisas sobre o cérebro, MIT

 

        A Neurociência do amor de mãe 💖🌸>>>> Feliz Dia das Mães 💖🌸🌸 A gravidez causa mudanças duradouras no cérebro da mulher.

As mães se viciam no cheiro dos bebês. A probabilidade de mães recentes considerarem agradáveis os cheiros de bebês é muito maior, em comparação com mulheres sem filhos.

Leia também: Células do filho migram para o cérebro da mãe e podem prevenir Alzheimer

Além disso, acontecem mudanças nas regiões cerebrais cinzentas associadas às percepções, relações sociais e à capacidade empática de se colocar no lugar do outro e imaginar o que se passa na mente alheia. Isso não acontece no cérebro dos pais. Essas áreas foram ativadas quando as mulheres olhavam fotos de seus bebês. As mudanças ainda estavam presentes dois anos após o nascimento da criança, período em que a criança é mais frágil e precisa de mais cuidados.

Leia também:  Leite materno estimula o desenvolvimento cerebral de bebês prematuros

     Neurocientistas da Universidade Autônoma de Barcelona descobriram em fevereiro desse ano e publicaram na Nature que essas alterações ajudam na adaptação à maternidade e ao cuidado com a criança. E as ajudam a se adaptar à maternidade e a responder às necessidades de seus bebês para cuidar bem da criança.

Então, hoje e sempre abrace, dê um beijo e agradeça à sua mãe por ela ter cuidado de você desde o dia em que ficou grávida.

Para saber mais:
Hoekzema E, Barba-Müller E, Pozzobon C, Picado M, Lucco F, García-García D, Soliva JC, Tobeña A, Desco M, Crone EA, Ballesteros A, Carmona S, Vilarroya O. Pregnancy leads to long-lasting changes in human brain structure. Nat Neurosci., v. 20(2), p. 287-296, 2017.