Para subir na carreira, batom nas mãos

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

IMG_1039.JPG Fonte da imagem: Adaptado de @paulaohenoja

       Neurocientistas comprovaram em 2010 aquilo que já suspeitávamos: batons vermelhos são considerados atraentes independente do local, cultura de origem ou idade de quem está vendo. Isso porque o vermelho imita a oxigenação causada pela vasodilatação associada à excitação sexual, altos níveis de estrogênio e boa saúde cardíaca e respiratória.

    Outra pesquisa desse ano mostrou que homens consideram mulheres que usam maquiagem mais competentes e com mais prestígio. Por outro lado, mulheres consideram as que usam mais maquiagem mais dominantes e isso é ofensivo para elas e vulgares porque julgam que elas são mais atraentes aos homens.

       Claro que há muito mais qualidades em uma mulher do que a aparência. A habilidade, inteligência e experiência são qualidades muito mais importantes para cultivar se quisermos permanecer no mercado de trabalho, do que o brilho labial impecável.

         Mas, enquanto a aparência tiver tanta influência sobre as qualidades profissionais que os outros atribuem a nós, como a competência, podemos usar um pouco de batom em proveito próprio. Como este estudo deixa claro, há sabedoria em perceber quando  colocar uma cor mais leve ou mais forte de batom. Então, em uma entrevista de emprego com uma equipe feminina para uma posição subordinada suavize o batom e a sombra do olho. Mas, se você está caminhando para uma promoção ou querendo provar sua competência um poderoso batom de cor pode te ajudar especialmente se seu gerente ou chefe é um homem.

        Com ou sem batom, o mais importante de tudo é se sentir bem! Isso sim passa uma ideia de competência. Beijinhos, com batom no meu caso, pra vocês meus amores!!

Para saber mais:

Mileva VR, Jones AL, Russell R, Little AC. Sex Differences in the Perceived Dominance and Prestige of Women With and Without Cosmetics. Perception, v. 45(10), p. 1166-83, 2016.

Etcoff NL, Stock S, Haley LE, Vickery SA, House DM. Cosmetics as a feature of the extended human phenotype: modulation of the perception of biologically important facial signals. PLoS One, v. 6(10), p. e25656, 2011.

Stephen ID, McKeegan AM. Lip colour affects perceived sex typicality and attractiveness of human faces. Perception. v. 39(8), p. 1104-10, 2010.

Guéguen, N. Does red lipstick really attract men? An evaluation in a bar. International Journal of Psychological Studies, v. 4, p. 206-209, 2012.

Stephen, I. D., & McKeegan, A. M. Lip colour affects perceived sex typicality and attractiveness of  human faces.  Perception, v.  39, p. 1104-1110, 2010.

Nash, R., Fieldman, G., Hussey, T., Lévêque, J. L., Pineau, P. Cosmetics: They influence more than Caucasian female facial attractiveness. Journal of Applied Social Psychology, v. 36, p. 493-504, 2006.

 

Anúncios

Parkinson pode começar no intestino, não no cérebro

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

Um novo estudo mostrou que a microbiota do intestino pode interferir na progressão dos sintomas motores da doença de Parkinson.

ImageJ=1.48vFonte da Imagem: Mazmanian S, 2016. Microbiota do intestino ativa micróglia em verde que causa neuroinflamação característica do Parkinson

         Notícia da semana: Parkinson pode começar no intestino, não no cérebro. Um novo estudo mostrou a relação entre a perda das capacidades motoras no Parkinson e alterações nas populações de bactérias no intestino. Neurocientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia publicaram essa descoberta na revista científica Cell, uma das melhores do mundo.

     Essa suspeita começou em 2015 quando um estudo mostrou que a constipação intestinal é mais comum em pessoas com sintomas motores e diagnóstico de Parkinson 10 anos depois do que em pessoas sem a doença.

        O intestino é lar permanente de uma comunidade diversificada de bactérias benéficas e prejudiciais ao organismo conhecida como microbiota, importante para o desenvolvimento e função do sistema nervoso e sistema imune.

        Os neurocientistas utilizaram camundongos com sintomas de Parkinson e um grupo especial deles criados em um ambiente especial totalmente estéril que por isso não tinham bactérias no intestino. Os animais com Parkinson e microbiota corriam e subiam em postes pior que camundongos com Parkinson sem bactérias no intestino. Além disso, o tratamento com antibiótico também melhorou os sintomas motores de Parkinson. E o transplante de bactérias do intestino de humanos com Parkinson piorou os sintomas motores dos camundongos com Parkinson, sem alteração se fossem transplantadas bactérias do intestino de humanos sem a doença. Isso mostra uma comunicação entre o intestino e o cérebro.

      Esse trabalho é importante para o futuro de estudos do tratamento do Parkinson, que afeta 200 mil pessoas no Brasil. Vamos torcer!

Para saber mais:

Instituto de tecnologia da Califórnia

Sampson TR, Debelius JW, Thron T, Janssen S, Shastri GG, Ilhan ZE, Challis C, Schretter CE, Rocha S, Gradinaru V, Chesselet MF, Keshavarzian A, Shannon KM, Krajmalnik-Brown R, Wittung-Stafshede P, Knight R, Mazmanian SK. Gut Microbiota Regulate Motor Deficits and Neuroinflammation in a Model of Parkinson’s Disease. Cell, v. 1;167(6), p. 1469-1480, 2016.

Schrag A, Horsfall L, Walters K, Noyce A, Petersen I. Prediagnostic presentations of Parkinson’s disease in primary care: a case-control study. Lancet Neurol., v.14(1), p.57-64, 2015.

Leung K, Thuret S. Gut Microbiota: A Modulator of Brain Plasticity and Cognitive Function in Ageing. Healthcare (Basel), v. 29; p. 898-916, 2015.

Lori Dajose. Parkinson’s Disease Linked to Microbiome, 2016.

Vídeo: Caltech Researchers Link Parkinson’s Disease to Gut Bacteria. 

Hawkes CH, Del Tredici K, Braak H. A timeline for Parkinson’s disease. Parkinsonism Relat Disord, v. 16; p. 79–84, 2010.

Walter U, Kleinschmidt S, Rimmele F, et al. Potential impact of self-perceived prodromal symptoms on the early diagnosis of Parkinson’s disease. J Neurol, v. 260; p. 3077–85, 2013.

Postuma RB, Gagnon JF, Pelletier A, Montplaisir J. Prodromal autonomic symptoms and signs in Parkinson’s disease and dementia with Lewy bodies. Mov Disord, v. 28; p. 597–604, 2013.

Abbott RD, Petrovitch H, White LR, et al. Frequency of bowel movements and the future risk of Parkinson’s disease. Neurology, v. 57; p. 456–62, 2001.

Ferini-Strambi L, Oertel W, Dauvilliers Y, et al. Autonomic symptoms in idiopathic REM behavior disorder: a multicentre case-control study. J Neurol, v. 261, p. 1112–18, 2014.

A Neurociência do aniversário

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali ChaarEnglish version

1

            Você já conheceu muita gente que fica bem feliz no dia do aniversário. E com certeza já conheceu também pessoas que ficam depressivas. Essa pessoa pode ser até você mesmo. Se você já ficou depressivo pode ser que jogou a culpa toda no inferno astral. Mas, na verdade é tudo culpa da nossa mente. E a neurociência já descobriu o porquê. Em datas especiais, como aniversário e ano novo, por exemplo, fazemos planos. Comer melhor, exercitar-se, terminar um relacionamento infeliz, ter um emprego melhor e fazer uma viagens são os mais comuns. Diversos estudos mostram que somos muito mais otimistas  e acreditamos mais que nossos planos vão se tornar reais em datas especiais do que em dias comuns.

          Ser mais otimista tem o lado bom. Quando a diferença entre o que você é hoje e o que você sonha ser é grande isso é motivador a ter ações para concretizar. Mas, também tem o lado ruim. Se você apenas sonhar e não agir, você perceberá no aniversário do ano que vem que seus planos não se realizaram. Isso te decepcionará e te deixará depressivo. Por outro lado, se você conseguir agir isso te motivará e te deixara feliz no ano que vem.

        Então, fica a neurodica. No seu aniversário, pense o que deseja fazer e tenha ações na direção da mudança que quer. Um feliz aniversário pra mim e um beijão pra vocês, meus amores!

Para saber mais:

Peetz J, Wilson AE. The post-birthday world: consequences of temporal landmarks for temporal self-appraisal and motivation. J Pers Soc Psychol, 104(2):249-66, 2013.

Milkman, K. L., Jason Riis, J. The Fresh Start Effect: Temporal Landmarks Motivate Aspirational Behavior Hengchen Dai. Management Science, volume 60, issue 10, 2014.

Alter AL, Hershfield HE. People search for meaning when they approach a new decade in chronological age. Proc Natl Acad Sci U S A.v. 111(48), p.:17066-70, 2014.

Peetz J, Wilson AE. Marking time: selective use of temporal landmarks as barriers between current and future selves. Pers Soc Psychol Bull. v. 40(1), p.44-56, 2014.

Chapman GB, Colby H, Convery K, Coups EJ. Goals and Social Comparisons Promote Walking Behavior. Med Decis Making. 36(4):472-8, 2016.

A Neurociência das provas

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

Geissler et al 2013.jpgFonte da Imagem: Geissler et al., 2013, neurônio do hipocampo, principal área do cérebro responsável pela memória.

         O post de hoje é em homenagem aos meus alunos que irão prestar ENADE amanhã. Desejo toda a sorte do mundo para vocês 🍀🍀💚! Vocês são muito especiais para mim!Você tem uma hora sobrando antes da prova do ENADE… O que você faz? Revisa para decorar algo ou tira um cochilo?

       Um estudo apresentado na terça feira no Congresso Mundial de Neurociência em San Diego sugere que tirar um cochilo de uma hora antes da prova é tão eficaz quanto uma revisão. Isso acontece porque o cochilo reativa a memória daquilo que você já estudou. Só tome cuidado para não perder a hora 😊. Um estudo feito na Universidade de Los Angeles com 500 pessoas mostrou que decorar na última hora não é bom porque te deixa estressado.

     Ouvir uma música que você goste 15 minutos antes da prova também melhora seu raciocínio. Isso é conhecido como o “efeito Mozart” ou “efeito Blur” 🎻

      Outra neurodica é caminhar. Uma pesquisa feita na Universidade de Illinois mostrou que caminhar 20 minutos antes da prova aumenta a nota. Isso acontece porque a caminhada aumenta a circulação e a chega de nutrientes nos neurônios nas mesmas áreas do raciocínio lógico.

         Tire um cochilo de uma hora, ouça Mozart e depois caminhe 20 minutos. E o que mais? Não existem receitas do que fazer no dia anterior da prova que servem para todos. Somos muito diferentes, mas algumas dicas são comprovadas pela Neurociência:

– Faça uma boa refeição hoje para se sentir mais feliz. Lasanha, macarronada, rodízio e outros carboidratos são boa opção para hoje, mas não para amanhã porque são pesados e causam sono;

– Fique com seus familiares, amigos e pessoas agradáveis, isso vai te deixar mais feliz e confiante;

– Evite álcool e não tome remédios para dormir. Eles diminuem a concentração e alteram o sono. Você dorme, mas não descansa;

– Dormir bem é fundamental para guardar as memórias. Então, durma em um ambiente silencioso, escuro sem TV ou celular brilhando e pelo tempo suficiente para descansar;

– Pense hoje o que irá fazer se não souber uma questão? Pular? Refletir sobre isso te ajuda a não ser surpreendido e diminui a ansiedade;

– Não tome café, guaraná ou energéticos. Eles te deixarão ansioso e menos concentrado. Se sentir sono amanhã tome banho ou faça uma caminhada; – Antes da prova, mesmo sem fome por causa do nervosismo, coma algo. Nutrientes são importantes para o raciocínio;

– Antes da prova coma alimentos leves com pouca gordura e ricos em proteínas como: ovos, nozes, iogurte, etc;

= Controle as emoções. A ansiedade diminui a memória, concentração e a capacidade de interpretação. Confie no seu taco, pense que se a prova está difícil, está difícil para todos e que irá fazer seu melhor;

– Responda primeiro as questões fáceis;

– Beba bastante água antes e durante a prova. A desidratação afeta a concentração;

– Vocês são guerreiros, passaram por tanta coisa, histórias lindas de vida, venceram tudo e chegaram até aqui. Lembrem hoje de todas as dificuldades que enfrentaram com coragem. Tenho certeza que amanhã no ENADE isso só irá se confirmar mais uma vez. Boa prova! Amo vocês!

Para saber mais:

Geissler M, Gottschling C, Aguado A, Rauch U, Wetzel CH, Hatt H, Faissner A. Primary hippocampal neurons, which lack four crucial extracellular matrix molecules, display abnormalities of synaptic structure and function and severe deficits in perineuronal net formation. J Neurosci, 1;33(18):7742-55, 2013.

Hennies N, Lambon Ralph MA, Kempkes M, Cousins JN, Lewis PA. Sleep Spindle Density Predicts the Effect of Prior Knowledge on Memory Consolidation. J Neurosci., 30;36(13):3799-810, 2016

Hillman CH, Pontifex MB, Raine LB, Castelli DM, Hall EE, Kramer AF.The effect of acute treadmill walking on cognitive control and academic achievement in preadolescent children. Neuroscience, 31;159(3):1044-54, 2009.

Leonid Perlovsky. Cognitive Function of Music and Meaning-Making. Journal of Biomusical Engineering. 2016

A Neurociência do Halloween

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

996

            Curta o TUDO SOBRE CONTROLE no facebook, siga no instagram e no twitter

      Um estudo publicado domingo por neurocientistas da Universidade de Michigan mostrou que um filme ou uma série de terror pode deixar algumas pessoas se sentindo assustadas e ansiosas até 13 anos depois causando problemas para comer, dormir, náuseas, aumento dos batimentos cardíacos e medo de morrer. Lembra do boneco Chucky?!! Aposto que lembra….

         Mas não são só filmes de terror que causam medo. Um revólver na cabeça, a sala cheia de pessoas esperando a apresentação do seu trabalho, a porta batendo por causa do vento, barulhos estranhos dentro de casa, pessoas desconhecidas nos seguindo, animais bravos, uma barata voadora, um palhaço, o seu celular caindo no chão são motivo. O cérebro é acionado automaticamente. E ninguém tem controle sobre isso. Quem nunca?!!

          O medo é uma reação involuntária causada por algum estímulo estressante. O cérebro libera neurotransmissores que disparam o coração, as mãos suam, a respiração acelera, os músculos se contraem e perdemos o sono. Tudo isso é conhecido como reação de luta ou fuga. Esses estímulos são enviados para o tálamo que não sabe se os sinais são perigosos ou não, mas, manda a informação para a amígdala cerebral. Ela recebe os impulsos neurais e age para proteger você, dizendo ao hipotálamo que inicie a reação de luta ou fuga. Tudo é enviado para o hipocampo, que armazena nossas memórias e cria perguntas como: “Eu já ouvi esse barulho antes? O que aconteceu depois? Existem outras coisas acontecendo que dão pistas se é um ladrão ou vento?”. Todos os dados são analisados para descobrirmos o que pode ser.

            Mas sentir medo é algo bom, porque está associado ao instinto de sobrevivência. Se não o sentíssemos, não sobreviveríamos por muito tempo porque atravessaríamos uma rodovia por exemplo. Sinta medo, mas não deixe que teu medo te paralise. Feliz Halloween, meus amores!

Para saber mais:

Francis T. McAndrew, Sara S. Koehnk. On the nature of creepiness. New Ideas in Psychology, v. 43, p. 10–15, 2016.

Jared Wadley. Universidade de Michigan. Long Term Fright Reaction Extends Beyond Scary Movies and TV Shows. 28 de outubro de 2016.

Cheetham M, Suter P, Jäncke L.The human likeness dimension of the “uncanny valley hypothesis”: behavioral and functional MRI findings. Front Hum Neurosci., v. 5, p. 126, 2011.

A Neurociência dos cachorrinhos

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

3.jpg

Curta o TUDO SOBRE CONTROLE no facebook, siga no instagram e no twitter       

         Como não amar esses animaizinhos iluminados que nos dão tanto carinho? Hoje você vai saber o que a Neurociência já sabe que se passa na cabeça desses peludinhos fofinhos.

     Você sabia que é provável que seu cão sonha com você? Segundo a psicóloga Deirdre Barrett que estudou anos os sonhos em Harvard, cachorros provavelmente sonham com o rosto, cheiro e que estão agradando ou incomodando seus donos.

     A Neurociência já comprovou também o que todos os donos já tinham certeza: cães entendem o que você diz e como diz como os humanos. Um artigo publicado mês passado na revista Science, uma das mais importantes do mundo, com ressonância magnética nos cérebros melhores amigos do homem provou que os cães também compreendem o seu sentimento quando fala. Fofo ❤❤

       Outra pesquisa mostrou que os cães tem consciência de que existem. Ou seja, nós não somos os únicos animais com essa percepção.

        Por essas e outras eles merecem ser tratados com respeito também. Então, aperte o seu cão fofinho o quanto puder agora para ele se sentir bem amado.

Quer saber mais?

Andics, A., Gábor, A.,  Gácsi, M., Faragó, T., Szabó, D., Miklósi A.. Neural mechanisms for lexical processing in dogs. Science  02 Sep 2016.

Andics A, Gácsi M, Faragó T, Kis A, Miklósi A. Voice-sensitive regions in the dog and human brain are revealed by comparative fMRI. Curr Biol. 3;24(5):574-8, 2014

Roberto Cazzolla Gatti. Self-consciousness: beyond the looking-glass and what dogs found there. Ethology, Ecology and Evolution. Published online November 13 2015 

Gregory Berns. How Dogs Love Us: A Neuroscientist and His Adopted Dog Decode the Canine Brain Hardcover – October 22, 2013.

Berns GS, Brooks AM, & Spivak M (2012). Functional MRI in awake unrestrained dogs. PloS one, 7 (5) PMID: 22606363

A Neurociência do horário de verão

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

imagem-agencia-fapesp

Imagem: Agência Fapesp / Instituto Brainn. Ressonância magnética funcional mostrando a ativação de neurônios de uma pessoa durante o sono nas áreas vermelhas e azuis.

       O corpo humano leva pelo menos 14 dias para se acostumar ao horário de verão segundo um estudo brasileiro

      Com a mudança no horário somos obrigados a acordar uma hora mais cedo e isso modifica o funcionamento do organismo. O sol em horários noturnos faz o cérebro produzir menos melatonina, o hormônio que regula o nosso sono. A diminuição de melatonina faz a pessoa ficar mais cansada, irritada, mal-humorada e com mais sono. Quem nunca?

         A diminuição do tempo de sono aumenta a produção de cortisol, hormônio do estresse estimulado pelo hipotálamo no cérebro. O cortisol nos deixa mais cansados, irritados, retem liquido e diminui nossa imunidade aumentando a chance de ficarmos doentes :O.

         Aos poucos o corpo começa a “se acostumar” com a nova rotina. Então, ai vão algumas dicas para ajudar nisso e diminuir os sintomas: acordar 15 minutos mais cedo em cada dia, dormir alguns minutos mais cedo na primeira semana de horário de verão, dormir no mesmo horário e em um ambiente escuro e silencioso, evitar o uso de televisão, celular, consumo de cafeína, alimentos pesados e exercícios antes de dormir. Boa sorte meus amores e força nessa primeira semana de horário de verão!

Para saber mais:

Guilherme Silva Umemura. Análise da ritmicidade circadiana nas transições do horário de verão. Tese, Universidade de São Paulo, 2015.

Yoo, S-S., Gujar, N., Hu, P., Jolesz, F.A., & Walker, M.P. (2007). The human emotional brain without sleep – a prefrontal amygdala disconnect. Current Biology, 17, 877-878.