Gravidez causa mudanças no cérebro da mãe

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

3

Fonte da imagem: Os cientistas reconfiguraram um aparelho de ressonância magnética para capturar uma mulher e seu bebê. Rebecca Saxe e Atsushi Takahashi, Departamento do cérebro ciências cognitivas, MITe  Athinoula R.  Milisse Centro de Imagens do Instituto McGovern para pesquisas sobre o cérebro, MIT

 

        A Neurociência do amor de mãe 💖🌸>>>> Feliz Dia das Mães 💖🌸🌸 A gravidez causa mudanças duradouras no cérebro da mulher.

As mães se viciam no cheiro dos bebês. A probabilidade de mães recentes considerarem agradáveis os cheiros de bebês é muito maior, em comparação com mulheres sem filhos.

Leia também: Células do filho migram para o cérebro da mãe e podem prevenir Alzheimer

Além disso, acontecem mudanças nas regiões cerebrais cinzentas associadas às percepções, relações sociais e à capacidade empática de se colocar no lugar do outro e imaginar o que se passa na mente alheia. Isso não acontece no cérebro dos pais. Essas áreas foram ativadas quando as mulheres olhavam fotos de seus bebês. As mudanças ainda estavam presentes dois anos após o nascimento da criança, período em que a criança é mais frágil e precisa de mais cuidados.

Leia também:  Leite materno estimula o desenvolvimento cerebral de bebês prematuros

     Neurocientistas da Universidade Autônoma de Barcelona descobriram em fevereiro desse ano e publicaram na Nature que essas alterações ajudam na adaptação à maternidade e ao cuidado com a criança. E as ajudam a se adaptar à maternidade e a responder às necessidades de seus bebês para cuidar bem da criança.

Então, hoje e sempre abrace, dê um beijo e agradeça à sua mãe por ela ter cuidado de você desde o dia em que ficou grávida.

Para saber mais:
Hoekzema E, Barba-Müller E, Pozzobon C, Picado M, Lucco F, García-García D, Soliva JC, Tobeña A, Desco M, Crone EA, Ballesteros A, Carmona S, Vilarroya O. Pregnancy leads to long-lasting changes in human brain structure. Nat Neurosci., v. 20(2), p. 287-296, 2017.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s