Gravidez causa mudanças no cérebro da mãe

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

 

Por Laiali Chaar

3

Fonte da imagem: Os cientistas reconfiguraram um aparelho de ressonância magnética para capturar uma mulher e seu bebê. Rebecca Saxe e Atsushi Takahashi, Departamento do cérebro ciências cognitivas, MITe  Athinoula R.  Milisse Centro de Imagens do Instituto McGovern para pesquisas sobre o cérebro, MIT

 

        A Neurociência do amor de mãe 💖🌸>>>> Feliz Dia das Mães 💖🌸🌸 A gravidez causa mudanças duradouras no cérebro da mulher.

As mães se viciam no cheiro dos bebês. A probabilidade de mães recentes considerarem agradáveis os cheiros de bebês é muito maior, em comparação com mulheres sem filhos.

Leia também: Células do filho migram para o cérebro da mãe e podem prevenir Alzheimer

Além disso, acontecem mudanças nas regiões cerebrais cinzentas associadas às percepções, relações sociais e à capacidade empática de se colocar no lugar do outro e imaginar o que se passa na mente alheia. Isso não acontece no cérebro dos pais. Essas áreas foram ativadas quando as mulheres olhavam fotos de seus bebês. As mudanças ainda estavam presentes dois anos após o nascimento da criança, período em que a criança é mais frágil e precisa de mais cuidados.

Leia também:  Leite materno estimula o desenvolvimento cerebral de bebês prematuros

     Neurocientistas da Universidade Autônoma de Barcelona descobriram em fevereiro desse ano e publicaram na Nature que essas alterações ajudam na adaptação à maternidade e ao cuidado com a criança. E as ajudam a se adaptar à maternidade e a responder às necessidades de seus bebês para cuidar bem da criança.

Então, hoje e sempre abrace, dê um beijo e agradeça à sua mãe por ela ter cuidado de você desde o dia em que ficou grávida.

Para saber mais:
Hoekzema E, Barba-Müller E, Pozzobon C, Picado M, Lucco F, García-García D, Soliva JC, Tobeña A, Desco M, Crone EA, Ballesteros A, Carmona S, Vilarroya O. Pregnancy leads to long-lasting changes in human brain structure. Nat Neurosci., v. 20(2), p. 287-296, 2017.

Anúncios

Retrospectiva 2015: 10 coisas fascinantes que aprendemos sobre a mente em 2015

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

foto retrospectiva.jpg

Tomografia de encéfalo com Alzheimer. A cor vermelha mostra o fluxo sanguíneo máximo, o verde-amarelo indica menor fluxo de sangue, enquanto áreas em roxo, azul e verde escuro indicam nenhum fluxo. Jonathan Selig via Getty Images.

Muitos estudos interessantes foram publicados sobre a mente em 2015 desvendando mais alguns mistérios do nosso cérebro. Para começar 2016 listei dez descobertas fascinantes sobre o cérebro feitas em 2015. Aí estão elas:

1. Se for teclar não beba, se for beber não tecle

Hoje você esbarrou em alguém na rua? Esqueceu algo em casa? Esqueceu de um compromisso?

Se você respondeu sim a qualquer uma destas perguntas, há uma boa chance de  você estar gastando muito tempo olhando seu celular. Em nosso estilo de vida atual passamos muito tempo olhando a tela de nosso smartphone. Cientistas descobriram que enquanto usamos um smartphone na rua temos o mesmo padrão de caminhada que o andar de um bêbado por causa da desatenção que o celular gera. Além disso, quando seu celular vibra, isso já é suficiente para diminuir sua produtividade no trabalho ou nos seus estudos. Usuários de smartphones também tem maior chance de terem perdas de memória e tem menor capacidade de foco tendo como consequência esquecer compromissos, perder coisas e andar em direção às pessoas enquanto usam o smartphone.  A tecnologia é maravilhosa para facilitar nossas vidas, mas existe um limite saudável para seu uso para manter nossas capacidades cognitivas de memória e raciocínio.

Para saber mais: Artigo 1 e Artigo 2.

2. Poluição é pior para o cérebro do que achávamos

Uma pesquisa mostrou que a poluição do ar pode acelerar o envelhecimento cerebral e contribuir para o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson. Esse estudo mostrou que aumentos pequenos na concentração de poluição são associados com diminuição da substância branca cerebral. A substância branca é importante por possuir células que sustentam e fazem o isolamento elétrico e nutrição dos neurônios. É como se a poluição derretesse o cérebro. Isso sugere que a poluição pode ser a causa mais agressiva de doenças cerebrais que já foi descoberta.

Para saber mais: Artigo 1, Artigo 2 e Artigo 3

3. O vírus zika e a sua relação com a epidemia de microcefalia no Brasil

Microcefalia é uma condição congênita rara em que o cérebro e o crânio são menores do que o esperado causada por alteração genética ou por substâncias tóxicas como drogas, radiação ou infecções que interferem no desenvolvimento cerebral. Ela causa déficits neurológicos, cognitivos e motores, e retardo mental. Em Agosto houve um aumento de vinte vezes nos casos de microcefalia no Brasil. A relação entre o vírus zika e a epidemia de microcefalia, inédita na ciência mundial, foi descoberta quando foi encontrado o vírus no sangue de um bebê com microcefalia. Isso já foi confirmado pelo Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde em Novembro. Essa relação ainda precisa ser confirmada porque ainda não existem trabalhos científicos publicados sobre isso e há dúvidas no ar sobre quais mecanismos levam à microcefalia. Mas, foram feitas diversas observações de casos que sugerem essa relação entre o vírus zika e microcefalia. Ainda não existem vacinas para o vírus então, a única maneira de combatê-lo é acabando com o vetor, o mosquito Aedes aegypti, evitando acumular água parada e mulheres grávidas devem se proteger contra picadas com repelentes, telas de proteção ou mosquiteiros.

Para saber mais: Artigo

Atualização em 01/04/2016: A Organização da Saúde confirmou a relação entre o vírus da Zika e microcefalia nessa semana. Foram publicados alguns trabalhos científicos confirmando a relação do vírus Zika com microcefalia. Agora isso é um consenso científico.Cientistas encontraram o vírus no cérebro de bebês afetadas com microcefalia e agora um artigo foi publicado demonstrando que a infecção por vírus Zika aumenta a chance de nascimentos de bebês com microcefalia. A questão ainda sem resposta é seria o Zika realmente o culpado pelo aumento dos casos de microcefalia? E se eu pegar uma infecção de Zika durante a gravidez, quais são as chances de que meu bebê vai ser afetadoAtualmente, o vírus Zika está circulando em 33 países, nas Américas e infectou centenas de milhares de pessoas.

4. Apagar memórias pode ser o futuro dos tratamentos para os vícios

Cientistas apagando ou transplantando memórias no cérebro não são mais apenas coisa de filmes ou séries de ficção científica. Apagar a memória em breve poderá ser uma realidade. Uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Scripps publicada na revista Molecular Psychiatry identificou uma nova droga, a blebbistatina, que com apenas uma dose tem o potencial para apagar seletivamente memórias de vício em pessoas viciadas em drogas deixando outras memórias intactas. Isso poderia nos ajudar a tratar melhor a dependência química por apagar as memórias relacionadas com os efeitos prazerosos da droga e recaída bloqueado por pelo menos um mês.

Para saber mais: Artigo

5. Para melhorar seu humor, mude suas bactérias

A comunicação entre intestino-cérebro foi outro tema importante na Neurociência nos últimos anos. Em 2015, pesquisadores descobriram que o equilíbrio das bactérias saudáveis no intestino pode ajudar a diminuir a ansiedade e os sintomas da depressão. De acordo com uma pesquisa publicada na revista Nature, o estresse altera a microbiota (ou flora) intestinal e pode causar ansiedade e depressão em camundongos. Isso porque esta alteração na microbiota intestinal ativa a liberação de neurotransmissores no hipotálamo, que em excesso, levam à ansiedade e depressão. Uma dieta com excesso de gordura também pode alterar a microbiota da mesma maneira. Por outro lado, outro estudo mostrou que as pessoas que têm mais alimentos fermentados em sua dieta, que são repletos de bactérias saudáveis conhecidas como probióticas, apresentam menos neuroses e ansiedade social. É fascinante que microrganismos tão pequenos em seu intestino podem influenciar sua mente.

Para saber mais: Artigo 1, Artigo 2Artigo 3 e Artigo 4

6. Um bom sono é essencial para uma vida emocional saudável

Já foi bem demonstrado nas pesquisas que um bom sono é fundamental para o bem-estar psicológico. Também já foi bem demonstrado que a privação do sono, por outro lado, aumenta os níveis de estresse e é associada com ansiedade, depressão  e outros problemas de saúde mental. Além disso, em 2015 foi descoberto que a falta de sono poderia alterar nossa inteligência emocional. Um estudo marcante da Neurociência publicado em Julho do ano passado no Journal of Neuroscience descobriu que um bom sono também é muito importante para manter a inteligência emocional. Os pesquisadores mostraram que não ter um sono adequado diminui nossa capacidade de ler expressões faciais, que é um componente-chave para entender as emoções de quem nos relacionamos.

Para saber mais: Artigo

7. A natureza deixa a mente sadia

Você já deve ter percebido que caminhar na natureza te deixa mais tranquilo. A Neurociência já sabia que passar tempo ao ar livre traz benefícios significativos para a saúde física e mental. Mas ano passado, os pesquisadores descobriram que os benefícios psicológicos dados pela natureza são ainda maiores do que imaginávamos. Uma pesquisa feita na Universidade de Stanford publicada em Julho de 2015 descobriu que passeios ao ar livre reduzem os pensamentos negativos obsessivos que caracterizam a depressão. Outro estudo publicado no fim do ano passado descobriu que passar um tempo na natureza também pode ter aplicações no tratamento para a dependência química com redução da  impulsividade e melhor auto-controle o que seria fantástico.

Para saber mais: Artigo 1 e Artigo 2

8. Alzheimer pode ser transmissível

É possível transmitir a doença de Alzheimer de uma pessoa para outra, de acordo com um estudo publicado ontem na revista Nature feito por cientistas da University College de Londres. Você não pode pegar a doença de Alzheimer por cuidar de alguém com a doença de Alzheimer. Mas, a transmissão pode ocorrer em situações inusitadas envolvendo contato direto com o tecido cerebral como em neurocirurgias através de material cirúrgico contaminado. A contaminação faz com que haja deposição de proteína beta-amilóide que causa Alzheimer no cérebro da outra pessoa afetando ao longo dos anos a memória e o raciocínio.

Para saber mais: Artigo 

9. É possível prever que uma pessoa terá Parkinson pelo odor de seu suor

Parkinson é uma doença neurodegenerativa progressiva marcada por tremor e dificuldades de movimentos. Seis anos antes do marido da senhora inglesa Joy Milne ser diagnosticado com Parkinson ela percebeu que ele passou a ter um cheiro diferente e almiscarado. Ela só relacionou esse odor ao Parkinson após visitar uma instituição onde conheceu mais pessoas com a doença que tinham o mesmo odor que seu marido. Em testes feitos por pesquisadores com camisetas de pessoas com ou sem a doença ela acertou 11 entre 12. Uma possível explicação é que o sebo, um óleo que lubrifica e impermeabiliza a pele, é quimicamente alterado em pessoas com Parkinson produzindo um odor único que pode ser percebido por algumas pessoas que tem um olfato poderoso, como ela. Graças a senhora Joy, pesquisadores do Instituto de Biotecnologia de Manchester e da Fundação Parkinson UK estão investigando se algum teste de odor da pele poderia detectar o Parkinson precocemente o que seria uma esperança para milhares de pessoas.

Para saber mais: Artigo

10. Os cientistas descobriram a fonte da juventude (pelo menos no cérebro)

Cientistas encontraram uma maneira de reverter o envelhecimento dos neurônios. Camundongos idosos receberam uma transfusão de sangue de jovens. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford na Califórnia queria saber qual o efeito disso sobre o cérebro, estudou isso e publicou os resultados na Revista Nature. Com o envelhecimento, os neurônios perdem suas conexões e começam a morrer até que, por fim, o cérebro encolhe e torna-se menos eficaz. Uma região chamada hipocampo, crucial para memória e aprendizagem, é uma das primeiras áreas do cérebro a se deteriorar com a idade, causando falhas na memória e no raciocínio. Mas, camundongos velhos que receberam sangue jovem tiveram uma explosão no crescimento de #neurônios no #hipocampo. Eles tinham de três a quatro vezes mais neurônios do que camundongos idosos que não receberam transfusão como muitos camundongos recém-nascidos. Esta descoberta é uma esperança para o tratamento de doenças neurodegenerativas relacionadas a idade em que há morte neuronal como Parkinson e Alzheimer. Então, Drácula estava certo, o sangue de jovens pode ser a fonte eterna da juventude.

Para saber mais: Artigo

Essas foram algumas descobertas fascinantes da Neurociência em 2015. Vamos aguardar pelas descobertas interessantes em 2016. E você poderá ler sobre elas aqui no Tudo sobre controle.

O que o alimento faz com o seu cérebro?

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar 

alimentacao-criancas-saudaveis-size-3

      Sempre quando pensamos na função do alimento em nossas vidas lembramos dela como uma maneira de obter energia. Mas ele afeta (e muito) o nosso cérebro. Inclusive, até a habilidade do alimento de prevenir e proteger contra  diversas doenças afetando o funcionamento encéfalo está começando a ser mostrada nas pesquisas científicas.

       Um estudo realizado este ano na Universidade de Wisconsin nos Estados Unidos mostrou que o diabetes, que é causado por uma má alimentação na maioria dos casos, está associado ao aumento do risco para o desenvolvimento de Alzheimer. Ou seja, das pessoas que possuíam Alzheimer a maioria era diabética. No Brasil 12 milhões de pessoas possuem diabetes atribuído ao moderno estilo de vida em que comemos muitos alimentos industrializados e ricos em gordura e açucares e fazemos pouca atividade física. O açúcar é a principal fonte de energia para os neurônios funcionarem. O diabetes faz com que diversas regiões do cérebro, incluindo o lobo temporal medial onde as memórias são formadas, usem menos açúcar. Neurônios usando menos açúcar significa menos neurônios funcionando e formando memórias. Outro estudo científico mostrou que crianças que tem uma alimentação equilibrada, especialmente rica em fibras, possuem uma melhor performance em testes de QI.

      Estudos  também mostram que uma dieta equilibrada aumenta a longevidade, ou seja os anos de vida, de ratos em 50%. O efeito de uma dieta equilibrada na longevidade ainda não foi estudado em humanos. Mas, estudos mostraram que homens e mulheres que têm uma dieta equilibrada (com vegetais, frutas, ovos, nozes, peixes, aves, produtos com baixo teor de gordura, grãos e feijão) comparados com pessoas que tem uma dieta ocidental (rica em calorias vazias, gorduras, sal e fast-foods) tem menor incidência de doenças cardiovasculares que são a maior causa de mortes no Brasil e no mundo. Isso acontece também por causa do seu encéfalo sabia? Incrível, não!? Mas como o encéfalo afeta o desenvolvimento de doenças cardiovasculares? Há regiões no encéfalo (cérebro e tronco encefálico) que controlam a pressão arterial e frequência cardiaca. Essas regiões fazem isso por uma rede de neurônios que controla os órgãos do corpo: o sistema nervoso autônomo. O sistema nervoso autônomo é formado por simpático e parassimpático. O sistema nervoso simpático, quando ativado, aumenta seus batimentos cardíacos e contrai seus vasos aumentando sua pressão arterial. O sistema nervoso parassimpático diminui seus batimentos cardíacos diminuindo sua pressão arterial. Pessoas com uma dieta desequilibrada, não se sabe ainda porque, tem um aumento do sistema nervoso simpático e uma diminuição do sistema nervoso parassimpático, além do que é esperado em um organismo em equilíbrio. Esse desequilíbrio entre simpático e parassimpatico aumenta as chances de hipertensão, infarto  do miocárdio e acidente vascular encefálico. Assim, esse estudo mostrou que uma dieta equilibrada tem o mesmo efeito benéfico no sistema cardiovascular que uma classe de medicamentos usados para o tratamento de doenças cardiovasculares, os beta bloqueadores. Maravilhoso, não!?

   Uma dieta que é rica em Ômega‑3, um ácido graxo, está conquistando o amor de vários médicos e nutricionistas por ser cientificamente comprovado que auxilia nos processos cognitivos. Processos cognitivos são os processos que geram nossas idéias, raciocínios e pensamentos. Além disso, o Ômega-3 estimula a expressão de genes que produzem proteínas importantes para a comunicação e plasticidade dos neurônios. Óleo de peixe, que é rico em Ômega-3,  diminui sintomas de esquizofrenia, um transtorno mental em que a pessoa tem dificuldade entre separar o que é real e o que é imaginário.

      Muitos alimentos podem melhorar a condição do seu encéfalo e retardar o declínio natural do envelhecimento. Curcumina, um componente do açafrão, melhora a cognição de ratos com Alzheimer. Comer pimenta três ou mais vezes por semana faz você viver de 14% a 22% mais anos. (Os mexicanos devem viver bastante então.) Flavonóides, antioxidantes encontrados no coco, no chá-verde, nas frutas cítricas, no vinho e no chocolate amargo, e a vitamina D, presente no fígado de peixe, peixes gordos, cogumelos, derivados de leite, leite de soja, grãos e cereais, melhoram a função cognitiva em idosos, retardando o envelhecimento do cérebro. A gordura saturada, presente na manteiga, na banha de porco, no óleo de palma, no queijo, na carne e no óleo leva a um declínio cognitivo em ratos que tiveram traumatismo craniano e em idosos e a vitamina E leva à uma melhora. O complexo de vitamina B, principalmente a B6, tem efeitos benéficos na memória de mulheres em diferentes idades. A colina encontrada na gema do ovo, carne de soja, frango, vitela, peru, fígado e alface, melhora crises de convulsão e a cognição. Zinco, presente em ostras, feijão, nozes, amêndoas, cereais integrais e girassol, diminui o declínio cognitivo característico da idade. O declínio cognitivo em pacientes com Alzheimer está relacionando com baixo cobre que é encontrado em ostras, fígado bovino/cordeiro, castanha-do-pará, cacau, e pimenta do reino. Ferro, encontrado na carne vermelha, peixe, aves, lentilhas e feijão, melhora a função cognitiva em mulheres.

Mas como esses alimentos melhoram nossa cognição? Os efeitos dos alimentos na cognição e emoções podem começar antes da absorção do alimento pelo organismo, ativando receptores sensoriais olfativos e visuais. A ativação desses receptores pode alterar a ativação de neurônios envolvidos com a cognição. Além disso, as regiões do cérebro envolvidas na alimentação podem enviar axônios e ativar neurônios de regiões envolvidas com a função congnitiva. A leptina, um hormônio liberado pelo tecido adiposo após uma refeição, pode também chegar ao encéfalo e ativar receptores de leptina em regiões como o hipocampo e o hipotálamo e influenciar a aprendizagem e a memória. Sinais viscerais de receptores de nutrientes localizados no estômago e no intestino também podem modular a cognição. Neurônios do hipotálamo, uma região do encéfalo importante para muitos comportamentos fundamentais para a manutenção da vida, também inervam densamente o timo e podem ativar o sistema imunológico após uma refeição.  O intestino também apresenta inervação parasimpática e pode fornecer informações através do nervo vago por neurônios que chegam ao encéfalo e influenciar as emoções.  Inclusive, estão sendo testados métodos de estimulação do nervo vago para tratar a depressão crônica. A influência do microambiente intestinal em nossas emoções já foi tema de outro post do site.

     Agora, imagine o que acontece no seu cérebro quando você come uma colher de brigadeiro ou outro alimento que contenha açúcar. Cabe a seu cérebro decidir se repitirá outra colherada ou não. O neurotransmissor do sistema de recompensa, isto é, o sistema que faz com que nós desejemos repetir uma ação, é a dopamina. Há muitos receptores de dopamina no encéfalo. Esses receptores não estão igualmente distribuídos. Algumas áreas do encéfalo contém mais receptores dopamina. E esses locais que possuem mais receptores de dopamina fazem parte das áreas de recompensa. Drogas como álcool, nicotina ou heroína aumentam violentamente a liberação de dopamina nestas áreas e fazem com que a pessoa fique, em outras palavras, viciada. O açúcar também estimula a liberação de dopamina, mas essa liberação não é tão grande como a das drogas. Nem todos os alimentos liberam dopamina. Brocólis, por exemplo, não faz com que dopamina seja liberada. Isso explica porque é tão difícil fazer as crianças comerem vegetais.

      Quando você decide comer um prato saudável o nível de dopamina aumenta. Se você decide comer o mesmo prato por vários dias os níveis de dopamina aumentam nos primeiros dias. Mas, depois começam a diminuir cada dia mais e mais. Isso porque, quando se trata de comida, o cérebro dá atenção ao que é novo, ao que tem um sabor diferente. Isso acontece por duas razões. A primeira é para que o encéfalo aprenda a identificar quando uma comida é ruim. A segunda razão é que quanto mais variedade você tiver na sua dieta mais terá os nutrientes que você precisa. Esse princípio de uma dieta variada é seguido por uma sugestão amplamente dada por nutricionistas e médicos: comer um prato colorido é mais saudável. A variedade de nutrientes que um prato te fornecerá é mostrada pelo número de diferentes cores que ele possui.

      E o que acontece se você come o mesmo prato de doce todos os dias? Nos primeiros dias há um aumento de dopamina como acontece com prato saudável. Mas se você continuar comendo a sobremesa por vários dias os níveis de dopamina não irão diminuir. A liberação de dopamina é mantida por causa da recompensa. Em outras palavras comer muito açúcar aumenta a recompensa. Nesse sentido açúcar funciona um pouco como uma droga. Por isso nós adoramos comer alimentos com açúcar. Então, toda vez que açúcar é consumido começa um efeito dominó no cérebro que faz parte do sistema de recompensa. Um alto consumo de açúcar tem um alto efeito de vício no cérebro. Mas comer um pedaço de bolo de chocolate com recheio de chocolate e cobertura de chocolate de vez em quando não irá te machucar.

Para saber mais:

Willette AA, Bendlin BB, Starks EJ, Birdsill AC, Johnson SC, Christian BT, Okonkwo OC, La Rue A, Hermann BP, Koscik RL, Jonaitis EM, Sager MA, Asthana S. Association of Insulin Resistance With Cerebral Glucose Uptake in Late Middle-Aged Adults at Risk for Alzheimer Disease. JAMA Neurol. 2015 Jul 27.

Southon S1, Wright AJ, Finglas PM, Bailey AL, Loughridge JM, Walker AD. Dietary intake and micronutrient status of adolescents: effect of vitamin and trace element supplementation on indices of status and performance in tests of verbal and non-verbal intelligence. Br J Nutr. 1994 Jun;71(6):897-918.

Stein PK, Soare A, Meyer TE, Cangemi R, Holloszy JO, Fontana L.
Caloric restriction may reverse age-related autonomic decline in humans. Aging Cell. 2012 Aug;11(4):644-50. Epub 2012 May 21.

Fontana L, Partridge L, Longo VD. Extending healthy life span–from yeast to humans. Science. 2010 Apr 16;328(5976):321-6. .

Ikeno Y, Bertrand HA, Herlihy JT. Effects of dietary restriction and exercise on the age-related pathology of the rat. Age (Omaha). 1997 Apr;20(2):107-18.

McCann JC, Ames BN. Is docosahexaenoic acid, an n-3 long-chain polyunsaturated fatty acid, required for development of normal brainfunction? An overview of evidence from cognitive and behavioral tests in humans and animals.Am J Clin Nutr. 2005 Aug;82(2):281-95.

Lv J, Qi L, Yu C, Yang L, Guo Y, Chen Y, Bian Z, Sun D, Du J, Ge P, Tang Z, Hou W, Li Y, Chen J, Chen Z, Li L; China Kadoorie Biobank collaborative group.Consumption of spicy foods and total and cause specific mortality: population based cohort study. BMJ. 2015 Aug 4;351:h3942.

Gómez-Pinilla F. Brain foods: the effects of nutrients on brain function. Nat Rev Neurosci. 2008 Jul;9(7):568-78.

http://ed.ted.com/lessons/how-sugar-affects-the-brain-nicole-avena