Você sabia que o cérebro do Neymar funciona diferente do nosso?

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebook, no instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

IMG_5465

A Neurociência do Cérebro do Neymar 💙🙇🏻⚽️ 💚💛💚💛 Neymar também é neurolover e já participou de estudos de Neurociência para desvendar se há algo diferente em seu cérebro que o faz ser tão habilidoso. Não são apenas os músculos que distinguem um atleta de elite de um simples mortal. O cérebro deles também é diferente 😱🔥💣 Agora eu acredito no hexa com evidências científicas 💚💛💚💛

 

Leia também:  Esporte desenvolve o cérebro melhorando a memória, foco e atenção

Lesão de ligamento cruzado anterior do joelho pode provocar alterações à longo prazo no encéfalo

 

Esses estudos são importantes porque podem descobrir como estimular habilidades em alguém que deseje ser atleta 😍🥇🥈🥉⚽️

Entender os movimentos habilidosos do Neymar também pode ajudar a entender os efeitos da estimulação o movimento na reabilitação de pessoas com lesões neurológicas e ajudá-las a recuperarem seus movimentos 💚⚡️🐍💚

Logo depois da Copa do Mundo de 2014 neurocientistas japoneses fizeram ressonâncias no cérebro do Neymar, de outros jogadores de futebol e atletas profissionais durante movimentos difíceis dos pés que precisam de muito controle motor para serem feitos 💙🙇🏻👣⚽️

Eles descobriram que Neymar usa menos neurônios do córtex frontal, área M1 motora primária que controla os movimentos, para movimentar os pés 💙🙇🏻👣⚽️

Isso significa que ele joga no piloto automático e não precisa ativar tantos neurônios para fazer movimentos complexos quanto nós simples mortais. Ou seja, o cérebro dele quase não faz esforço para movimentos com os pés e economiza energia ⚡️💀⚡️

Estudos já mostraram que em atletas de elite as áreas cerebrais ativadas pela modalidade tem neuroplasticidade com maior número de neurônios e aumento da massa cinzenta onde estão os corpos celulares dos neurônios 😱💀♥️

IMG_5464.PNG
Acima estão as ressonâncias do cérebro visto de lado de Neymar e dos outros atletas estudados. As áreas pintadas em vermelho são as áreas de neurônios ativados durante os movimentos dos pés. A primeira foto com as setas é da ressonância do Neymar. É impressionante a diferença com outras pessoas. Vantagem da Neurociência o time do Brasil já tem 🇧🇷💚💛

Messi também já foi foco de uma pesquisa de Neurociência. Os neurocientistas descobriram por cálculos com equações que os atletas geniais percebem o tempo mais devagar que outras pessoas. E sugerem que talvez por isso fazem movimentos que são obras primas em dribles, jogadas e gols.

Isso pode ser genético ou pelo treinamento ou os dois 😍♥️💪🏼

Para ler os artigos originais acesse:
Naito, E.; Hirose, S. Efficient foot motor control by Neymar’s brain. Front Hum Neurosci, 2014.

Jafari, S.; Smith, L. S. Can Lionel Messi’s brain slow down time passing? The Journal of Biological and Medical Research, p. 462-463, 2016.

 

Anúncios

Neurociência mostra como empatia muda relações na sala de aula e na sociedade

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL no facebookno instagram e no twitter

Por Laiali Chaar

figura

 

12 de Junho é o Dia Mundial da Empatia! Você sente empatia, neurolover? Clique aqui e descubra como trabalhar a empatia na matéria especial que escrevi para o Portal PorVir sobre a Neurociência da Empatia.

 

 

 

A fé melhora a performance de atletas, revelam estudos

Siga o TUDO SOBRE CONTROLE NEURAL  no instagram, no facebook  e no twitter

Por Laiali Chaar

ze_londres

Bomba da Neurociência 🔥🔥🔥💣💣💣 A fé move montanhas e vence jogos e corridas também 🙏🏻🙌🏼🙇🏻🙇🏻‍♀️ Se você conhece ou trata algum atleta conte isso a ele ou ela 💪🏼⛹🏽🚴🏻‍♀️🤸🏻‍♀️

Muitos acreditam que espiritualidade e ciência não podem ser unidas. Mas, a Neurociência já descobriu que a espiritualidade ajuda em vários aspectos das nossas vidas. Um deles é a performance esportiva.

➡️ Neurolover, se você assistir um jogo de futebol ou uma corrida com certeza verá os atletas fazendo rodas de oração, levantando a mão para o céu pedindo ou agradecendo a Deus antes, durante e depois e usando camisetas com frases religiosas. Marta, Kaka, David Luiz, Lewis Hamilton, Kobe Briant são exemplos.

➡️ De acordo com os estudos, rezar diminui a dor em atletas nas competições.

➡️ Quando rezamos, o nosso cérebro muda 😱. O neurocientista americano Andrew Newberg estuda isso há 20 anos 😍♥️💀

➡️ Rezar libera muitos neurotransmissores que produzem prazer e diminuem o estresse como dopamina e serotonina 😌♥️💀

➡️ O cérebro também sofre mudanças elétricas ao rezar ⚡️⚡️⚡️💀

➡️ Por isso, rezar relaxa rapidamente que chamamos de “ficar zen”

➡️ Rezar diminui a ativação cerebral durante o exercício de áreas que não estão envolvidas com a atividade. Isso melhora o foco. Um jogo ou uma corrida não é o momento para pensar em coisas complexas ou analisar crises da vida.

➡️ Foram estudados muçulmanos e evangélicos. E esses efeitos acontecem em várias religiões. Tanto faz recitar um mantra, um salmo da Bíblia ou pedir para o universo. Quando a pessoa acredita em algo, ele faz efeito, aumenta sua motivação e segurança no jogo ou corrida. São ativadas as mesmas áreas do cérebro em todos ☯️🕎✡️✝️☪️🕉☮️🔯

➡️ Quando uma pessoa começa a rezar o fluxo de sangue aumenta no córtex frontal. Depois de 10 a 50 minutos, a região fica quase silenciosa e produz ondas alfa ligadas ao relaxamento. A meditação ou mindfulness tem o mesmo efeito.

➡️ Sentindo menos dor, com mais foco, motivação e segurança, a performance esportiva melhora 🙏🏻🙌🏼💪🏼

Obrigada neurolover Márcio Sanches pela sugestão do tema 😊🙏🏻

🔎📚 Para ler os artigos originais acesse:
Newberg, A B. The neuroscientific study of spiritual practices. Front Psychol. v. 18, n. 5, p. 215, 2014.
Anastasi MW, Newberg AB. A preliminary study of the acute effects of religious ritual on anxiety. J Altern Complement Med. v. 14, n. 2, p. 163-5, 2018.

 

Newberg AB, Wintering NA, Yaden DB, Waldman MR, Reddin J, Alavi A. A case series study of the neurophysiological effects of altered states of mind during intense Islamic prayer. J Physiol Paris. v. 109, n. 4-6, p. 214-220, 2015.
Newberg A, Pourdehnad M, Alavi A, d’Aquili EG. Cerebral blood flow during meditative prayer: preliminary findings and methodological issues. Percept Mot Skills. v. 2, p. 625-3, 2003.